Quem usa um Cowork?

Joel Mingatos      terça-feira, 17 de abril de 2018

Compartilhe esta página com seus amigos

Oi, tudo bem? Eu sou o Joel Mingatos e quero falar contigo sobre o que eu aprendi com trabalhar em casa.
Durante meus anos prestando consultoria para empresas por todo o Brasil, eu sonhava em chegar na minha semana de produção para poder ficar em casa e trabalhar. Realmente era algo muito bom pois eu ficava perto dos filhos, da esposa, e issoocorreu durante muitos anos. Mas acontecia muita coisa quando eu voltava pra casa pra produzir: 
• Sempre tem alguém tocando a campainha e você tem que atender a porta
• Todos estão fora e o telefone toca
• O famoso "Já que você está em casa, pode fazer isso ou aquilo para mim" acontece toda hora
• O outro famoso "Nosso filho foi mal na escola e você precisa falar com ele sobre os estudos" também enche
• A sala de jantar se transforma no escritório e no almoço você tem que tirar tudo.
• Seu escritório pessoal passa a ser utilizado para impressão de trabalhos escolares
São inúmeros os fatos que ocorreram comigo ao longo dos anos e fui percebendo que a minha produção começou a cair. Foi então que comecei a ir para Shoppings e cafés para trabalhar. E é engraçado, porque eu, particularmente, não tenho problema de concentração. Isso aconteceu porque durante uns 10 anos fui treinado em trabalhar em aeroporto, rodoviárias, aviões e táxis e aproveitava todo o tempo para ler e estudar outras coisas. 
Mas mesmo sem não me importar com o barulho externo que impacta na concentração, esses lugares não me proporcionaram algumas coisas como:
Hora do almoço, barulho saudável, cheio de comida gostosa e pessoas ao redor.
Mas para mim esse não era o pior, o pior era a solidão.
Em casa a solidão por estar sozinho. Digo, só no sentido de não ter ninguém pra falar de trabalho. Já no shopping era por que tinha muita gente, mas ninguém para falar de coisas importantes. 
Já sentiu vontade de tomar um café para refrigerar a mente? Quando acontecia isso comigo eu descia ia até o café mais próximo, pedia um pão de queijo, um cafezinho, mas.... Aí não tinha ninguém para trocar ideia. Eu honestamente não sei se você já se sentiu assim. Digo, de olhar para os lados e não ter alguém para pedir uma opinião sobre uma proposta, sobre algo que estava acontecendo. Não estou falando sobre não ter amigos para tomar um café, estou falando sobre negócios. É aquele velho ditado "amigos, amigos, negócios à parte".
Foi então que comecei a entender sobre o mundo do Coworking, em cada lugar que eu ia já procurava um local para poder trabalhar. Aqui na Baixada Santista eu procurava alguns e que por sinal eram muito legais, gostei de todas as experiências que tive.
Acabei então gostando tanto que decidi abrir o Cowork&Surf, pois muitas pessoas se sentem como eu me sentia: deslocado. 
Eu também estou trabalhando aqui, e quero compartilhar minhas experiências e aprender com novas pessoas. Quero poder proporcionar novas oportunidades para todos. Nossa cidade precisa de pessoas que queiram empreender, que busquem crescer profissionalmente, porque se você vai crescendo a cidade cresce, o Brasil cresce. Ficar em isolamento é algo que não agrega e não gera resultados. No começo pode ser bom, mas a longo prazo você pode deixar de ganhar muito. 
Um dos grande problemas pode ser o custo, porque em casa o custo é zero, mas será que o negócio vai crescer com você hora produzindo hora lavando a louça?
Espero ver você por aqui e trocarmos experiências.
Agende uma visita e venha fazer um dia de cowork.
Atenciosamente,
Joel Mingatos.

Comentários

Categoria do Blog